domingo, 18 de julho de 2010

Mudinho da Mantiqueira

Uma das figuras mais conhecidas e populares de Santos Dumont foi, com certeza, Nico, o mudinho de Mantiqueira. Viveu desde menino na fazenda dos Kingmas, tendo, inclusive, trabalhado como embalador na Fábrica de Coalho da família, antes de se aposentar. Com seu jeito alegre e extrovertido, embora não falasse, sabia de cor a resenha do lugar, e contava, com gestos, tudo o que se passava.

Nico adorava um comício político, e, muitas vezes, subia nos palanques para também “fazer” os seus pronunciamentos, para delírio da criançada e do público presente. Só parava quando o aplaudiam. Todos já o conheciam e ninguém se importava muito com suas aparições, às vezes até meio inconvenientes.

Outra coisa pela qual Nico tinha verdadeiro fascínio era por vestimentas militares. Costumava andar de terno ou com uma jaqueta do exército, cheia de condecorações, com medalhas que ele mesmo comprava ou fazia, com moedas antigas.

Entretanto, o que muitos não sabem, é que o Nico era uma pessoa muita habilidosa e prestativa, sempre disposta a confeccionar os palitos de churrascos para as festas da igreja ou brinquedos, como máquina de soltar pipas, para a criançada de Mantiqueira, que o adoravam.

Se alguém perguntar por Antonio Rafael, seu nome de batismo, certamente ninguém saberá dizer quem foi, mas Nico, o mudinho da Mantiqueira, com certeza será lembrado por muitos, pois foi sem duvida uma das figuras mais populares de nossa terra.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Antonio Rafael, o nosso Mudinho da Mantiqueira. Figura adorável. Certa vez o nosso grupo Abutres Boys, uma expressão cultural da nossa juventude em Santos Dumont, elegeu Mudinho (isso rolou no coreto da praça) o nosso guardião. Éramos Beatniks sem saber, como diria nosso amável Cleyre Ramos (Cleyrinho), e avançávamos com muita liberdade pelas ruas de Santos Dumont, abrindo novas paisagens mentais. E o Mudinho nos adorava. Era uma relação bacana. A última vez que o vi, foi quando ele estava internado no Sanatório, onde também um dia se internou o jurista Rui Barbosa, na década de 20, por achar o clima excelente para eliminar a tuberculose. A sua maravilhosa floresta foi eliminada. Acreditem, foi um crime o que fizeram com ela. Os rentistas, especuladores imobiliários, destruíram um dos maiores patrimônios ambientais do municípios, um ecossistema que equilibrava o bioma regional. Mas voltando ao Mudinho, certamente ele foi uma das maiores presenças da terra. Um elemento humano de consideráveis coexistências, que hoje no presente se perdem para uma instantaneidade de falsos valores.

    ResponderExcluir